Dark?

O Começo Depois do Fim – Cap. 444 – Cicatrizado

Todos os capítulos em O Começo Depois do Fim
A+ A-

 

POV ARTHUR LEYWIN

 

Rolando de costas, me afastei de onde o portal tempus warp havia desaparecido. Algo próximo emitia um zumbido fraco, mas preocupante, enquanto a luz fraca se espalhava pelo jardim: o próprio tempus warp. Estava brilhando fracamente e emitindo calor suficiente para murchar as flores que havia esmagado alguns segundos atrás.

Fiquei olhando para o artefato por muito tempo, lutando para compreender. Eu realmente não estava pensando no tempus warp. Em vez disso, minha mente estava dividida entre o campo de batalha em Nirmala e o núcleo no meu esterno. O artefato era uma mera distração para lançar sobre o resto dos meus pensamentos. Não estava pronto para começar a processar tudo o que acabara de acontecer.

Percebi um movimento pelo canto do olho e Sylvie apareceu ao meu lado. Ela não conseguia disfarçar seu medo. Suas mãos pressionaram minha lateral, onde minha própria lâmina de éter me cortou, impulsionada pela concentração da mana de Cecilia. Os olhos de Sylvie se fecharam com força e senti sua mente sondando a minha, minha ferida, meu núcleo. Eu podia senti-la procurando pelas artes vivum que aprendeu em Epheotus, assim como pude sentir o vazio da resposta de sua magia.

Sua afinidade com o éter mudou. Sua visão foi reescrita.

Agarrei suas mãos e seus olhos se abriram assustados. Tenho certeza de que ficarei bem, só preciso de um momento para me curar.

Mas o seu núcleo, e se…

— Já me curei de coisas muito piores — disse em voz alta, um sentimento que foi minado quando o esforço para falar me fez ter um ataque de tosse e cuspi um bocado de sangue. — E Chul…?

— Inconsciente — disse ela suavemente, com a voz tensa de preocupação. — Uma reação, eu acho, por tentar manter sua forma de fênix.

Balancei a cabeça. O movimento enviou gavinhas de dor através de mim.

A luz inundou o jardim enquanto holofotes mágicos brilhavam em uma dúzia de direções. As proteções foram ativadas um momento depois, protegendo as portas e janelas da mansão em que pousamos.

Não demorou muito, porém, para que a porta da frente se abrisse e as proteções caíssem novamente. Darrin Ordin saiu, envolto em um roupão e esfregando o sono dos olhos, que brilhavam com uma luz ligeiramente selvagem; claramente, nós o acordamos.

Ele acenou com a mão, e os artefatos de luz que brilhavam sobre nós diminuíram, permitindo-me distinguir vários rostos espiando pelas janelas da mansão.

— Grey, pelas presas de Vritra! — respirou, correndo pelo quintal para o meu lado. Ele olhou do meu ferimento para o meu rosto, depois para meus companheiros e, finalmente, de volta para mim com o rosto pálido. — Venha, vamos entrar, essa ferida precisa…

— Não — gritei, forçando-me a ficar de joelhos. — Eu ficarei bem. Só… preciso de um momento.

Minha mente se moveu para dentro, concentrando-me em meu núcleo. O corte em sua superfície estava repleto de éter; as partículas violetas pressionaram o arranhão, onde se compactaram antes de derreterem na superfície do núcleo. Enquanto isso, o éter também saía do núcleo, alimentando a cura lentamente. Apenas um fio retornou, o éter atmosférico gravitando em direção à minha armadura antes de ser atraído para o núcleo ferido para purificação.

O golpe no meu núcleo foi indireto, e o ferimento resultante não foi suficiente para perfurar o exterior duro. Já fazia muito tempo que não sentia medo de me machucar; isso trouxe esse medo de volta com força total.

Se ela tivesse conseguido um ataque mais direto, meu núcleo poderia ter ficado paralisado.

Absorver minha mana deve ter dado a ela alguns pequenos insights sobre a interação entre mana e éter — respondeu Sylvie, mordendo o lábio. — Mas não tenho certeza se entendi muito bem o que aconteceu.

Ao lado de Sylvie, os olhos de Darrin permaneceram ao meu lado, onde o sangue continuava a fluir.

Ela envolveu mana suficiente em minha lâmina para poder forçá-la de volta para mim. Fiquei confuso, pego de surpresa, e quando a segunda rajada de mana disparou, enfiando a lâmina em mim, reagi muito devagar.

Senti um súbito conforto fresco ao meu lado enquanto, pouco a pouco, o éter começou a escorrer do meu núcleo para a minha ferida, costurando os músculos, ossos e órgãos internos. O fluxo de sangue começou a diminuir.

Ao redor do meu núcleo, a maior parte do éter preencheu o arranhão, embora a cura tenha deixado uma leve cicatriz e consumido a maior parte do meu éter. A própria cicatriz coçava, mais uma sensação referida no fundo da minha mente do que na superfície do próprio núcleo. Não conseguia afastar isso; como um soldado olhando para uma ferida recém-curada no espelho, cutuquei mentalmente o tecido cicatricial, inclinando-me para o desconforto enquanto tentava entendê-lo.

Somente quando a pele lacerada do meu lado começou a cicatrizar é que me afastei da cicatriz e, em vez disso, procurei minhas runas divinas. Não para ativá-las, apenas para garantir que respondessem. O Requiem de Aroa formigou na minha espinha, então Realmheart queimou e trouxe à vista a mana atmosférica que nos cercava. Estas funcionaram como esperado, embora ambas fossem… mais pesadas ​​do que deveriam.

Estou cansado e meu núcleo está quase vazio. Suspirando, liberei o éter canalizado e fechei os olhos, permitindo-me o tempo necessário para curar.

Ouvi Darrin voltar para casa, provavelmente para informar às crianças o que estava acontecendo. Sylvie saiu do meu lado para verificar Chul novamente, sua preocupação permanecendo no fundo da minha mente durante nossa conexão.

Quando minha ferida foi curada, me sentia bem e realmente exausto. Não conseguia me lembrar do meu núcleo tão tenso há muito tempo, e certamente não desde a formação de sua terceira camada. Eu precisaria de tempo para me recuperar e absorver o éter, muito mais do que o escasso éter atmosférico disponível aqui.

Levantando-me, abri os olhos e olhei novamente para o tempus warp.

O zumbido diminuiu, assim como o brilho do vazamento de mana. Ao retirar o artefato do canteiro em ruínas do jardim, percebi que estava quente ao toque e que havia uma rachadura fina descendo pela lateral do metal martelado. Curioso, usei meu escasso suprimento de éter para canalizar a mana necessária para ativar o dispositivo. A coceira da cicatriz ficou mais pronunciada.

O tempus warp respondeu aos meus esforços, mas esclareceu até mesmo aquela pequena aplicação de mana.

— Você não vai aproveitar mais do que um ou dois usos disso, agora — disse Darrin, reaparecendo em seu quintal com uma simples túnica de viagem e calças. Quando olhei, ele acenou com a cabeça para o tempus warp. — Eles duram pouco tempo, mesmo os poderosos como este. Não tenho certeza se confiaria nisso com aquela rachadura. — Sorrindo, ele estendeu a mão e eu a peguei com firmeza. Seu olhar baixou para onde minha armadura havia selado o corte. — Fico feliz em ver que as coisas não eram tão ruins quanto pareciam.

— Ainda não tenho certeza sobre isso — murmurei antes de me conter e retribuir seu sorriso sem entusiasmo. — Desculpe ter agitado sua casa. Este foi o único lugar em que consegui pensar, dada a situação em que estávamos, mas não podemos ficar muito tempo. Só preciso colocar meu companheiro de pé e…

— Grey… Arthur, há coisas que você precisa saber — disse Darrin, com a voz baixa e urgente, a expressão tensa. — Alaric está aqui. Não foi acordado pelo alarme do perímetro, claro, aquele velho bêbado, mas já deve ter saído da cama e vestido uma calça. Antes de fugir, você deveria ouvir o que ele tem a dizer.

A expressão séria de Darrin me fez pensar. Depois de um momento de hesitação, assenti.

Depois de recuperar o tempus warp, transportamos o corpo inconsciente de Chul para dentro da casa e o deitamos em um sofá. Deixei Sylvie para cuidar dele, e Darrin mandou seus muitos protegidos de volta para seus quartos, incluindo Briar frustrada.

Quando entramos no escritório, Alaric já estava lá e, claro, já havia se servido de uma bebida. Atrás dele, exatamente onde eu a havia deixado, estava a metade ativa da Bússola de Ascensão, zumbindo em alegre ignorância a tudo o que havia acontecido desde a última vez que a usei.

Alaric me olhou com cautela quando me sentei em frente a ele. A exaustão me pressionava por todos os lados, mas eu poderia dizer que o ascendente grisalho estava tão cansado quanto eu.

— Velhote… — Eu disse.

— Filhote — respondeu com um bufo. Tomando uma bebida fortificante, ele suspirou e enfiou a palma da mão na órbita ocular. — Então, posso presumir que foi o seu retorno ao nosso justo continente que desencadeou uma tempestade tão ruim?

— O que você quer dizer? — perguntei, recostando-me na cadeira e cruzando os braços.

Alaric ergueu as mãos, de alguma forma conseguindo não derramar a bebida.

— O que eu quero dizer? — rebateu. Ele olhou para Darrin, que apenas encolheu os ombros. — Resistência, garoto. Contra-ofensivas. Altos Sangues se voltando contra nós. Exércitos surgindo do esfíncter enrugado de Agrona para retomar cidades das quais ele havia desistido. Estou falando de meses de ganhos perdidos em uma semana.

Darrin estava olhando para suas mãos. Os olhos vermelhos de Alaric se estreitaram enquanto olhava para longe, além de mim. Ambos estávamos exaustos e… assustados, percebi.

— Conte-me mais — disse, inclinando-me para frente. — Seris deveria saber o que está acontecendo.

Alaric zombou e esvaziou o copo antes de começar uma explicação amarga, mas detalhada, das muitas perdas que a rebelião sofreu na última semana.

A força de Seris nunca foi grande o suficiente para formar exércitos e fazer ataques diretos contra os Soberanos; eles confiaram no controle de Sehz-Clar por Seris para manter qualquer tipo de posição. Fora de Sehz-Clar, os combates aconteceram em grande parte nas sombras, por meio de espiões e agentes organizados por Alaric e seus contatos. Depois que Seris recuou para as Relictombs, grande parte do trabalho ativo da rebelião passou à clandestinidade. Devido às ações de alguns nobres corajosos, no entanto, eles ganharam e mantiveram o controle de um punhado de cidades em Truacia, Vechor e Sehz-Clar.

Essas cidades tinham sido pontos de partida essenciais para outros esforços, principalmente de abastecimento. De acordo com Alaric, as tentativas de retomar as cidades foram mínimas, com as forças rebeldes conseguindo algumas vitórias inesperadas nas semanas seguintes à queda de Sehz-Clar.

Mas num espaço de dias, estas cidades caíram, e os Alto Sangue no controle apelaram às suas tropas para se retirarem ou foram executados por equipes de ataque leais à Agrona. Para piorar a situação, a rede de conexões, informantes, espiões e operadores de Alaric estava sendo assassinada.

— E não um por um, mas em massa! — Ele gemeu, com as bochechas coradas sob a barba desgrenhada. — Tive que mandar meus pais correrem para as colinas e se esconderem. É difícil entender, garoto. Como se alguém tivesse acionado um maldito interruptor do Vritra e desencadeado uma onda de mortes.

Continuamos por um tempo, Alaric investigando situações mais específicas enquanto eu ouvia e tentava digerir tudo. Em troca, expliquei o que Seris e eu tínhamos planejado e contei a eles sobre os acontecimentos de Nirmala.

Pouco antes do amanhecer, Chul acordou e ele e Sylvie se juntaram a nós, apesar dos meus protestos para que ele continuasse descansando.

— Eu já descansei muito tempo. Este corpo anseia por redimir sua exibição patética durante a luta — disse ele, desanimado.

— Vocês não combinavam bem. — Sylvie interrompeu. — Se tivesse enfrentado qualquer outra Foice, você teria…

— Não, ele está certo — interrompi. — Foi patético, mas eu também fui. A melhor coisa que podemos fazer é aprender com isso, assumir nossos erros e ficar mais fortes.

Rangendo os dentes, Chul postou-se no canto do escritório e olhou ao redor durante o resto da conversa.

Os campos ondulados visíveis pela janela do escritório estavam mudando de preto para cinza alaranjado com os primeiros raios de luz do amanhecer quando fomos interrompidos novamente.

Uma batida repentina e rápida na porta do escritório fez todos nós nos virarmos, mas antes que alguém pudesse pedir para entrar, a porta se abriu e Briar entrou correndo.

— Mestre Darrin! Rápido, é uma transmissão… de Agrona!

Todos nós trocamos um olhar cauteloso e depois a seguimos apressadamente até uma sala de estar equipada com um grande cristal de projeção. Uma imagem abrangente das Montanhas Presas do Basilisco passava rapidamente pela superfície do cristal. Quando entrei no alcance do campo telepático, ouvi uma voz desperta e nervosa em minha mente: “…repito, uma mensagem obrigatória do próprio Alto Soberano será reproduzida em dois minutos. Todos os Alacryanos devem ouvir. Repito, é obrigatório…

Saí do campo e lancei um olhar curioso para Darrin.

Franzindo a testa, ele encolheu os ombros. — As transmissões forçadas não são inéditas, mas são muito raras. Nem sequer depois do que aconteceu no Victoriad teve uma.

— O artefato de projeção se ativou sozinho e começou a balbuciar sobre a mensagem obrigatória — acrescentou Briar, com os braços cruzados enquanto olhava para a projeção.

— Então, uma mensagem do próprio Agrona Vritra… — Chul refletiu enquanto entrava e saía do campo telepático. — Se ao menos eu pudesse dar um soco em sua face maligna através deste artefato de cristal.

As sobrancelhas de Alaric se ergueram enquanto lançava um olhar divertido para Chul.

— Estou começando a ver onde estão seus pontos fortes e fracos.

Eu sorri levemente.

— Se ao menos pudéssemos, Chul.

Todos nós esperamos em silêncio até que a mensagem repetida parasse e a cena desaparecesse.

Um rosto apareceu na projeção de cristal.

— É realmente o próprio Alto Soberano… — Briar sussurrou, um arrepio percorrendo-a.

Agrona parecia austero, mas sua severidade era um tanto prejudicada pela ornamentação brilhante em seus chifres. Ele olhou para nós do cristal de projeção por vários segundos antes de finalmente falar.

Meu povo de Alacrya — começou, suas palavras objetivas e claras —, filhos do Vritra. Hoje, falo diretamente com vocês… com cada indivíduo entre vocês. Ouçam com cuidado e atenção, porque minhas palavras são para vocês.

Ele fez uma nova pausa e olhei ao redor da sala; alguns adolescentes estavam presentes, assim como a governanta de Darrin, Sorrel. Pareciam fascinados, todos eles. Apenas Alaric, Chul e eu pareciamos capazes de manter distância mental do que estávamos vendo. Até Sylvie estava com os olhos arregalados, os lábios ligeiramente entreabertos enquanto ela se envolvia nessa visão. Mas eu podia sentir suas emoções e alguns de seus pensamentos, e a razão dela era muito diferente para estar tão concentrada.

Meu pai… — Ela me enviou, sentindo minha mente tocar a dela. — Não posso deixar de duvidar… ainda parece tão improvável. O que poderia ter unido Sylvia Indrath e Agrona Vritra?

Mesmo através da projeção, sua força de personalidade era clara. Se alguma vez houve um tempo antes de Agrona Vritra se entregar aos seus impulsos cruéis e sociopatas, talvez tenha sido então que Sylvia se apaixonou por ele. Ou talvez ele sempre tenha sido o mesmo, mas a enganou fazendo-a ver algo que não existia.

Examinei cuidadosamente o rosto extasiado de Sylvie.

Afinal, Agrona não se esquivava de manipular até mesmo aqueles mais próximos a ele. Através de um feitiço implantado em seu ovo antes dela nascer, ele conseguiu habitar seu corpo até mesmo de Alacrya. Foi uma revelação que quase quebrou a confiança entre Sylvie e eu. Agora, só podia esperar que sua morte e renascimento tivessem cortado essa conexão, mas me preocupava o fato de não termos como saber com certeza.

Há meses que este continente está dividido pelos conflitos da rebelião e da guerra civil — continuou Agrona. — Fiquem tranquilos, não tenho má vontade para com aqueles de vocês que participaram deste conflito. Tal disputa de vontades, seja entre compatriotas, generais ou mesmo soberanos, só irá fortalecê-los como povo no longo prazo. O conflito é necessário para crescer em poder.

Ele fez uma pausa, seus olhos escarlates parecendo olhar diretamente nos meus.

Mas o conflito na altura errada também pode enfraquecer a todos nós, e é por isso que estou falando com todos vocês agora. Os portões de Epheotus foram abertos e dragões marcharam através deles. Eles já contrariaram grande parte do nosso trabalho em Dicathen, desfazendo o bem pelo qual você e seu sangue lutaram e morreram, mas a sua violência não se estende apenas àquele continente distante. Eles derramaram sangue aqui mesmo em Alacrya, no coração de Etril.

A expressão de Agrona endureceu, seus olhos brilhando como fogo.

Um dragão assassinou o Soberano Exeges antes de fugir como um covarde durante a noite. Milhares de testemunhas viram o asura girando sobre seu palácio, respirando mana e morte. Uma centena ou mais de funcionários do palácio morreram com ele, indefesos contra tal ataque, eram Alacryanos comuns, reduzidos a pó apenas pelo crime de trabalhar em apoio a um clã diferente.

A guerra entre Alacrya e Dicathen acabou. E o mesmo deve acontecer com este conflito entre todos os Alacryanos leais e os apoiadores de Seris, a Sem Sangue. Os dragões pretendem dominar Dicathen e Alacrya. Os mesmos seres que inventaram a mentira da divindade asurana, aqueles que há muito se esconderam em Epheotus e ofereceram apenas julgamento sobre aqueles a quem chamam de ‘menores’, sem fornecer ajuda de provisões ou magia, cujos ataques neste continente criaram o Mar da Bocarra Vritra e acabou com cem mil vidas, agora decidiu levar tudo que você e seus ancestrais de sangue trabalharam tanto para construir.

No silêncio que se seguiu, o único som foi o bufo incrédulo de Chul.

Devido à interferência do aliado dos dragões, a Lança Arthur Leywin...

Pisquei, pego de surpresa pela menção dele sobre mim. Várias pessoas na sala se viraram para olhar em minha direção.

…Não fui capaz de preparar Dicathen para esta eventualidade, mas protegerei Alacrya, e todos os que ainda se autodenominam Alacryanos leais, dos dragões invasores.” O queixo de Agrona estava levantado, sua voz ficando mais alta e mais orgulhosa enquanto falava. “Com a sua ajuda, é claro. Este continente deve permanecer forte, unido sob a minha autoridade. Já se foi o tempo das Foices e Soberanos, o domínio do clã Vritra. Agora eu, Agrona, irei guiá-los pessoalmente através dos perigos que estão por vir.

Sua expressão se suavizou e ele nos ofereceu um sorriso compreensivo.

Nenhuma punição será aplicada a quem participou nesta rebelião, desde que deponham as armas e retornem às suas vidas imediatamente. Mas, como não posso aceitar nenhuma discórdia interna que nos enfraqueça diante deste inimigo, todos aqueles que se recusarem serão tratados imediatamente e com preconceito. Chamem seus sangues, seus vizinhos e seus amigos para deixarem de lado suas queixas mesquinhas por enquanto. Amanhã daremos um passo em frente como nação. Unificado.”

Agrona cerrou a mandíbula e acenou sutilmente com a cabeça, fazendo os ornamentos em seus chifres balançarem e brilharem. Então a projeção desapareceu e o cristal apagou.

O silêncio seguiu. Lentamente, as crianças se viraram para olhar para Darrin, mas ele estava olhando para mim. O olhar de Alaric estava no chão, uma carranca gravada em sua pele enrugada. Chul também estava me observando, como se estivesse acompanhando minha reação, mas Sylvie havia se afastado, de costas para a sala e com a mente fechada.

— Vão em frente, pessoal — disse Darrin depois de um minuto. — Nenhum treinamento ou tarefas hoje. Vão se divertir.

Briar bufou.

— Vão enlouquecer em nossa angústia existencial, é mais provável. — Contudo, ela, assim como os outros, obedeceu e saiu da sala de estar.

Quando a governanta não a seguiu imediatamente, ainda estava olhando para a projeção de cristal, com uma expressão estupefata em seu rosto pálido, Darrin pousou a mão em seu ombro.

— Sorrel?

Ela pulou, uma mão voando até a boca para conter um grito fraco.

— Desculpe, Mestre Ordin. C-com licença. — Ela ficou de pé, trêmula, e saiu correndo da sala.

Enquanto a observava partir, considerei a mensagem de Agrona. Não tanto as especificidades disso, mas a intenção. Como isso afetaria as pessoas. As pessoas normais como Sorrel.

— Interessante que ele tenha chamado você pelo nome — refletiu Darrin. — Alinhar você com os dragões o ajudará a virar contra você qualquer popularidade que você conquistou em Alacrya.

— Mas por que o seu povo apoiaria esta cobra em vez dos dragões? — Chul rugiu, passando a mão pelo cabelo laranja, fazendo o tom mais escuro se enrolar e brilhar como fumaça. — Meu clã não tem amor pelo tirano Indrath, mas ele não é pior que Agrona.

— Que porra você sabe?! — respondeu Alaric, sua voz era um grunhido baixo e cansado. — Que melhor maneira de fazer as pessoas esquecerem o quão horrivelmente o Vritra as tratou do que a ameaça de vida sob o calcanhar de outro clã asura. E vocês — apontou para meu peito com um dedo enrugado — deram a eles a pequena peça perfeita de propaganda. — Ele balançou a cabeça e caiu em uma cadeira, os dedos massageando as têmporas.

— Pelo menos isso explica a repentina reversão de nossa sorte — disse Darrin, com preocupação clara em suas feições enquanto observava Alaric. — Agrona já devia estar planejando essa mudança há algum tempo. O assassinato de… bem, espere um momento. — Ele me lançou um olhar confuso. — Então, ele está culpando os dragões pela morte de Exeges, uma coisa bastante fácil de fazer, mesmo se você não tivesse levado um dragão de verdade ao palácio para assassinar Exeges… mas quem realmente matou o Soberano, então?

Seu foco mudou para Sylvie.

— Senhora… ah, me perdoe se esta é uma pergunta imprudente, mas é possível que tenha sido seu… sangue? Parentes? Os outros dragões?

Sylvie encolheu os ombros e balançou a cabeça ao mesmo tempo, fazendo seu cabelo louro-trigo cair em volta dos chifres.

— Não tenho certeza, mas… não parecia que um dragão estivera lá.

O olhar de Darrin voltou para mim.

— Então quem você acha?

Suas palavras eram amigáveis na superfície agitada dos meus pensamentos. Eu não tinha mais ideia de quem poderia ter matado o Soberano do que quando encontramos o cadáver pela primeira vez. Tive certeza de que faltavam apenas alguns pequenos detalhes para nos ajudar a juntar as peças.

Por que esse mistério atrai minha mente de volta à terceira pedra angular que faltava?

Você acha que eles estão ligados? — Sylvie pensou novamente. Poderia dizer pelo tom de seus pensamentos que ela não estava convencida. — Como… alguma terceira pessoa que por acaso está seguindo o mesmo caminho que nós?

Suspirando, sentei-me em frente a Alaric e passei a mão pelo rosto, cansado, lutando para pensar na coceira da cicatriz.

— Não sei — disse, respondendo às perguntas de Sylvie e Darrin ao mesmo tempo. — É possível — acrescentei mentalmente para Sylvie.

Engasguei, atraindo olhares cautelosos de todos, exceto Sylvie, que estava acompanhando meus pensamentos conforme os fazia.

— Tudo bem, Arthur? — Darrin perguntou.

— Sim, só… deixa pra lá — murmurei, sabendo que não poderia explicar meus pensamentos para Darrin. — O salvador dos seus sonhos das Relictombs, a voz que você ouviu. Seu renascimento e mudança na afinidade com o éter, o fato de você existir para salvar minha alma antes de nascer. Isso potencialmente criou algum tipo de paradoxo, certo? E se realmente houver um terceiro? Com as artes aevum envolvidas, poderíamos até ser nós mesmos, nos movendo por alguma linha do tempo paralela ou…

Parei, sentindo os pensamentos de Sylvie empurrando contra os meus.

A explicação mais simples é muitas vezes a mais precisa — disse ela, citando algum estudioso que ambos conhecemos na Academia Xyrus. — Talvez eu esteja errada, mas não sinto a relíquia, o Soberano e meu salvador conectados. Porém, para fins de argumentação, se voltássemos no tempo de alguma forma para reivindicar a relíquia, então onde ela está? E se você estava determinado a matar Exeges, por que se adiantar e matá-lo? Porque estava fadado ao fracasso?

Não eu, mas… você. — Apesar de seus argumentos, eu estava começando a ver uma imagem com mais clareza. — Quando sua visão do ramo aevum do éter se tornar profunda o suficiente, talvez você possa voltar no tempo e reivindicar a relíquia. Se a batalha contra os Exeges fosse muito difícil, Cecília poderia ter levado vantagem contra mim depois. E… e se a voz que você está ouvindo for a sua, mensagens enviadas de volta no tempo?

Sylvie pensou por um momento, observando-me atentamente.

Você já ouviu falar de uma arte do éter que permite voltar no tempo?

O réquiem de Aroa pode voltar no tempo — apontei.

Isso não é a mesma coisa, no entanto. Tipo, de jeito nenhum. — Ela me lançou um olhar aguçado.

E quanto ao seu tempo na Terra, então, observando minha vida? O que foi isso senão viagem no tempo? Eu…

Ela franziu os lábios, seu ceticismo só aumentando.

Não consegui fazer alterações, no entanto. Você nem sabia que eu estava lá.

Sem ideias — admiti, recostando-me na cadeira e soltando outro suspiro. Espiralando, até. — A explicação mais simples costuma ser a correta — repeti em voz alta.

Darrin ergueu os olhos depois de refletir sobre seus próprios pensamentos. Alaric coçou a barba, mas manteve os olhos na barriga. Chul estalou o pescoço e atravessou a sala.

— Mas matar um Soberano… um asura de sangue puro, não é uma tarefa simples. Há, no entanto, uma pequena lista daqueles que poderiam ter feito isso. Levantei meu punho, todos os meus dedos curvados para dentro. Levantando meu dedo indicador, eu disse: — Outro Soberano.

— Ou um dragão — disse Sylvie, e levantei um segundo dedo.

— As Assombrações são treinadas para matar asuras — disse, levantando um terceiro dedo.

— Você? — Chul apontou, parando e inclinando a cabeça para o lado. — Mas então, eu sei que não foi você. Hmm. Os membros restantes do meu clã desistiram há muito tempo de serem guerreiros, mas esse Exeges também não me parecia tão forte. Mordain ou um dos outros poderiam tê-lo matado, talvez.

Assentindo, levantei meu dedo mínimo.

— Agrona… — Alaric grunhiu. — Ou seu legado de estimação. Relatos de um dos meus amigos na linha de frente em Sehz-Clar disseram que a cadela não natural pode sugar a mana de você.

Deixei minha mão cair enquanto considerava o que ele tinha dito. Meu olhar travou com o de Sylvie enquanto imaginava o cadáver de Exeges. Pele pálida, tensa, aparência encovada, olhos cegos e incolores, como se o sangue tivesse sido drenado de seu corpo…

— Mas Cecilia pareceu tão surpresa ao encontrar o Soberano morto quanto nós — rebateu Sylvie, pensando em voz alta. — Se ela… drenou sua mana, ela desempenhou bem sua parte. Talvez Agrona estivesse disposto a sacrificar Exeges para dar a Cecilia um impulso de poder para sua luta com você?

Silenciosamente, senti que Sylvie esperava que fosse esse o caso, e que Cecilia não tivesse sido realmente forte o suficiente para lutar contra nós até ficar parada sozinha.

Fiquei de pé de repente.

— Não sabemos e não estamos mais perto de obter respostas aqui. Precisamos voltar para Seris. — Lancei um olhar culpado para Darrin e Alaric.  — Desculpe. Gostaria de poder oferecer mais, mas…

— Não há necessidade — disse Darrin, dando-me um tapinha no braço. — Minha casa não tem ligação direta com a rebelião. Sou simplesmente um ascendente aposentado treinando algumas crianças. Quanto a Alaric… — Ele lançou ao homem mais velho outro olhar cauteloso. — Ele não está realmente aqui. E se estava, certamente não está ligado à trama de Seris. Se estiver, eu não tinha como saber disso. Afinal, somos apenas velhos amigos de bebida.

Comecei a sair da sala, mas fui obrigado a parar e dar um último conselho.

— Faça o que ele disse. Pare de lutar. Mande seu pessoal para casa. Deixe eu e Seris cuidarmos das coisas daqui. Numa guerra entre dragões e basiliscos, você será esmagado.

Alaric zombou.

— É culpa sua que eu tenha sido arrastado de volta para isso em primeiro lugar. Você e sua conexão com aquela Foice. Bah. Mas suponho que você esteja certo. Nunca é tarde para se aposentar pela terceira vez, eu acho.

Sorri, agradecido.

— Adeus.

Darrin deu um pequeno aceno, mas Alaric apenas torceu o nariz e voltou a olhar para sua barriga.

Saí, com meus companheiros no meu encalço, e voltei para o escritório onde a Bússola ainda estava esperando.

Fiz uma pausa antes disso, considerando.

— Não podemos deixar isso aqui de novo. Com o tempus warp quase morto, talvez precisemos da Bússola conosco. Mover-se pelas Relictombs é a melhor maneira de evitar os olhares perceptivos de Agrona e Kezzess, e pode ser a nossa única maneira de passar entre Alacrya e Dicathen no futuro.

— Alguma ideia? — Sylvie perguntou, sua mão roçando o campo de energia que cercava a relíquia.

— E podemos ter certeza de que Lady Sylvie não terá outro ataque? — Chul perguntou, olhando discretamente para ela com o canto do olho.

— É o que esperamos — exalei. — Vão. Estarei logo atrás de vocês.

Sylvie mordeu o lábio. Chul apenas encolheu os ombros e entrou diretamente no portal. Quando acenei para me seguir, Sylvie o fez hesitantemente, desaparecendo no oval brilhante suspenso no ar.

Estendendo a mão, senti a forma do portal com meu éter. Ativar meu núcleo causou uma dor profunda e latejante por todo o meu corpo e intensificou a sensação de coceira da cicatriz.

Havia uma familiaridade com o éter do portal que não tinha nada a ver com o fato de eu tê-lo usado antes. Curioso, ativei God Step, vendo os caminhos sem pisar neles. Um sorriso confiante dividiu meu rosto.

Continuando a canalizar God Step, concentrei-me inteiramente no portal, ouvindo sua ressonância específica entre os muitos outros pontos ao meu redor. Quando tive certeza de que estava com ele, peguei a Bússola e a desativei.

O efeito foi imediato. O próprio portal começou a pressionar para dentro contra a minha vontade, mas o ponto no espaço que se conectava aos caminhos dos raios cantava para mim do mesmo jeito. Esperando apenas o tempo suficiente para fixar a Bússola em minha runa dimensional, passei pelo buraco.

 


 

Tradução: NERO_SL

Revisão: Crytteck

 

💖 Agradecimentos 💖

Agradecemos a todos que leram diretamente aqui no site da Tsun e em especial nossos apoiadores:

 

  • decio
  • Mygirl
  • S_Eaker
  • Abemilton Filho
  • Alan Forma Perfeita
  • Alerrandro Adrian
  • Blscat
  • Caio Kapps
  • Carlitoos
  • crytteck
  • Darkïnn
  • dieguim
  • dlvzin64
  • dogju_
  • dylanoliveira
  • experiencelain
  • feijoada36
  • Hashura
  • igor.ftadeu
  • jaokz_
  • Jean Marcos
  • juba87
  • karaboznolm
  • kevinof
  • kicksl
  • Krocks
  • Lessandro
  • Luca Neves
  • MackTron
  • MaltataxD
  • marceloaugusto
  • matheusunicornio
  • miguelx1122
  • mota_1303
  • nesovershennyy
  • nicholasjorge_br
  • Nivalís
  • nskn
  • pedroernestoa_68175
  • ph182
  • rian rrg
  • Roque
  • ruan_angelo
  • Silas
  • Teixeira
  • terasu
  • Wylla
  • xandellicia
  • XeeRoX
  • ZaionXD
  • zDoctorH
  • ! Rafaelpla
  • “L”
  • alexsander_309
  • augustokkjk
  • Enrig
  • fb2272
  • Mucego1991
  • SrYuke
  • vapor.train
  • zedopessego

 

📃 Outras Informações 📃

Apoie a scan para que ela continue lançando conteúdo, comente, divulgue, acesse e leia as obras diretamente em nosso site.

Acessem nosso Discord, receberemos vocês de braços abertos.

Que tal conhecer um pouco mais da staff da Tsun? Clique aqui e tenha acesso às informações da equipe!

 

 

Tags: read novel O Começo Depois do Fim – Cap. 444 – Cicatrizado, novel O Começo Depois do Fim – Cap. 444 – Cicatrizado, read O Começo Depois do Fim – Cap. 444 – Cicatrizado online, O Começo Depois do Fim – Cap. 444 – Cicatrizado chapter, O Começo Depois do Fim – Cap. 444 – Cicatrizado high quality, O Começo Depois do Fim – Cap. 444 – Cicatrizado light novel, ,

Comentários

Cap. 444