Dark?

O Começo Depois do Fim – Cap. 442 – Um golpe de espada

Todos os capítulos em O Começo Depois do Fim
A+ A-

 

Minha espada, conjurada de éter puro e mantida unida apenas por minha vontade, mergulhou nos fios entrelaçados de éter ao meu redor.

Revelada pela runa divina do God Step, a rede de caminhos ametista conectava todos os pontos a todos os outros pontos ao meu redor através do reino etéreo que aprendi com a última projeção do djinn. A runa divina mudou quando tive essa percepção, e o conhecimento ficou adormecido no fundo da minha mente desde então, um aprofundamento do insight, mas sem um uso claro.

Até o momento de necessidade em que não tive escolha a não ser traduzir o conhecimento em ação.

Meus sentidos fluíram através do éter, dos caminhos, do espaço intermediário que conectava tudo.

Eu vi Cecilia, os vestígios finais de seu último ataque ainda queimando a atmosfera entre nós, a silhueta de muitos braços de mana envolvendo o corpo que ela tomou de Tessia. E Nico ao seu lado, o olhar incerto flutuando entre nós, sua mão alcançando o ombro dela, mas não ousando tocá-la.

A lâmina de éter mergulhou mais fundo na rede de raios de éter.

Eu vi Draneeve, sua forma inconsciente enrolada sob um pedaço de pedra caída do telhado, sua máscara quebrada nos escombros ao seu lado; Mawar, o escudo escuro agarrado à sua carne incapaz de esconder o fluxo constante de sangue em seus quadris e Melzri na frente dela, seus olhos injetados e da cor de sangue cortando o ar como suas lâminas enquanto movia o foco de mim para as costas de Sylvie.

Os caminhos atraíram meu golpe para si próprios, guiando-o pelo espaço em si.

Eu vi a coleção de partículas de mana envolvendo a figura nas sombras do teto retorcido e quebrado, os fios de mana sob seu controle se espalhando pela câmara e caindo sobre Sylvie e Chul como dedos sondadores em seus cérebros.

A lâmina atingiu o alvo e um grito rasgou o ar.

Cada ponto, conectando cada outro ponto. O tecido conjuntivo deste mundo, o reino etérico. Um golpe desferido de um espaço, mas caindo em outro.

Um feixe de luz violeta pairou por um instante no ar. As sombras ondularam e Viessa se formou ao redor, a lâmina brotando de seu esterno. Ela se enrolou como uma aranha, seu grito cortando tão agudamente quanto tinha soado, mas sua boca permaneceu aberta, seu grito silencioso de alguma forma ainda pior do que o lamento de uma banshee. Enquanto ela se contorcia, ondas de cabelo roxo erguiam-se ao redor de seu rosto como uma auréola fantasmagórica.

Soltei a lâmina e ela se retraiu pelos caminhos etéricos, deslizando para fora de seu corpo de modo que caiu no chão.

Cecilia e Nico olharam para a origem do grito. Mezlri estava congelada no lugar, horrorizada e paralisada enquanto observava a outra Foice ricochetear no piso em ruínas. O único ruído além de um punhado de batimentos cardíacos era o crepitar do fogo da fênix.

Apesar do sangue emaranhado em seu cabelo na cabeça de onde Chul a havia atingido, os pedaços da mente confusa de Sylvie deslizaram suavemente de volta ao ritmo com o feitiço de ilusão quebrado. Ela se lançou para a frente para agarrar o braço de Chul. Seu rosto estava flácido, seus olhos vidrados, e ele não lutou quando ela o empurrou para fora do caminho enquanto Cecilia enviava lâminas gêmeas de mana cortando em direção a eles.

— Cecília! — gritei, liberando uma explosão etérea da palma da minha mão aberta.

Nico desviou para o lado, mas Cecilia recebeu a explosão de frente, o éter ondulando sobre a superfície da mana condensada ao seu redor. Com uma mão em forma de mana, ela afastou os últimos vestígios da explosão como fumaça. Ainda assim, sua atenção se voltou para mim, seu feitiço penetrando profundamente no chão, mas errando meus companheiros.

Deixei a ponta da minha espada mergulhar em direção ao chão, mas meus dedos estavam brancos quando agarrei o cabo etéreo.

— Chega disso. — Eu olhei para cima da minha lâmina, meu olhar duro. — Cecília, venha comigo. Vou tentar encontrar uma maneira de separar você de Tessia.

Ela zombou, suas bochechas ficando vermelhas e brilhantes, seus lábios torcidos em um desdém descrente.

— Como se eu pudesse ser tão facilmente influenciada… ou enganada. Você é um mentiroso, Grey, e um mentiroso muito ruim.

Atrás dela, a boca de Nico estava entreaberta. Ele hesitou, sua garganta trabalhando secamente, então finalmente disse:

— Devemos ouvir o Arthur… Suas percepções sobre o éter superam até mesmo os dragões. Talvez ele possa…

Cecília o interrompeu.

— Não se engane. — Foi a vez de Cecilia hesitar. Seus olhos passaram de Nico para mim, depois de volta. — Foi ele quem me matou, lembra?

Não consegui não soltar uma risada seca e sem humor.

— Sua mente distorceu suas memórias depois de todos esses anos ou Agrona fez isso por você? — Falando com Nico, continuei, incapaz de esconder a amargura em meu tom. — O ódio que você tem por mim, a razão pela qual você se esforçou tanto para destruir tudo que eu aprecio, foi baseado em uma mentira. Não fui eu quem matou Cecilia. Ela…

— Cale-se! — Cecilia gritou, a emoção intensa em sua voz tão crua que surpreendeu Nico e eu.

— Então… — comecei, percebendo lentamente —, não é que você não se lembre… Na verdade, você escolheu mentir e manipular o único homem que já te amou…

Como uma súbita respiração quente na minha nuca, um vento negro me atingiu por trás. Um grito reprimido explodiu no ar, exalando fúria e perda.

Dei uma olhada rápida para trás, apertando os olhos contra a tempestade de vento vazio.

Melzri estava ajoelhada ao lado de Viessa, o corpo flácido da outra Foice puxado para seus braços. Ela se balançava para a frente e para trás, com a boca entreaberta, descrença e horror estampados em cada linha de seu rosto. O vento vazio estava saindo dela, uma manifestação física de seu luto.

Então seus olhos encontraram os meus, e ela pareceu desmoronar em si mesma, o grito se tornando um rosnado, toda aquela tensão explodindo para baixo quando largou o cadáver e saltou no ar, uma lâmina agarrada em ambas as mãos e deixando um rastro de fogo da alma como uma bandeira escura.

O vento negro me golpeou, empurrando poeira e fumaça em meus olhos, enrolando-se em meus membros e garganta, enredando-se em meu cabelo e tentando me desequilibrar. Gavinhas da mana de Cecilia se entrelaçaram dentro e ao redor da de Melzri, reforçando o feitiço e mantendo-o contra minha influência.

Eu senti a regalia impressa no meio de sua espinha ativa enquanto a Foice canalizava mana para ela. Mana condensou da atmosfera e em seus feitiços. Seu corpo inchou, se endurecendo e fortalecendo. A espada brilhou mais escura, as chamas rugindo a três metros da lâmina. As garras do vento se afiaram, cavando cada vez mais fundo. Chamas brancas e frias lamberam seu corpo, mil chamas de velas queimando de seus poros enquanto seu corpo sobrecarregava de mana.

O éter explodiu em meus quadris, coluna, ombros e braços, instantaneamente colocando minha lâmina em uma posição defensiva com força suficiente para rasgar o vento forte. O Burst Strike entregou toda a sua potência diretamente na massa central da arma dela.

Com uma rajada, as chamas da alma explodiram como uma vela. O aço guinchou, e a espada explodiu, enviando um estilhaço de metal quebrado espalhando-se pela sala do trono. O braço de Melzri torceu de forma não natural, e algo dentro rachou e se estilhaçou.

Esse impulso a fez passar por mim, onde tropeçou e caiu de joelhos, segurando a mão e o braço quebrados com a outra.

Mana se concentrou em torno dela, pegando-a e levando-a para longe de mim.

— Vá — disse Cecília. — Você não tem mais utilidade aqui.

Eu poderia tê-la parado, poderia ter seguido Melzri e derrubado ela e sua Retentora antes que pudesse retirar o tempus warp de seu artefato dimensional, mas tive a sensação de que qualquer punição que Agrona aplicaria em resposta ao fracasso delas aqui seria pior do que a morte rápida que eu poderia oferecer.

Enquanto o tempus warp envolveu Melzri, Mawar e o corpo de Viessa em mana e as afastou, eu deixei acontecer.

Mana já estava envolvendo Cecilia, preparando-se para atacar, mas Nico voou entre nós. Fiquei surpreso quando ele virou as costas para mim.

— O que Grey quis dizer agora? — perguntou à Cecilia.

— Está tudo no passado. — Ela respondeu, a mandíbula apertada e olhos flamejantes. — Não é o que é importante agora; nem para o futuro!

— Eu nunca matei Cecilia! — gritei, minha ira crescendo.

Nada sobre as ações de Cecilia ou Nico fazia sentido para mim. Nico aparentemente se tornou uma arma para um tirano do mal apenas para reviver seu amor morto, mas então ele permitiu que ela se transformasse em uma arma também, um destino idêntico ao de sua última vida, em que se matou em minha lâmina para fugir. Em troca, ela nem havia contado a verdade a ele e parecia estar usando seu ódio por mim para continuar alimentando esse confronto.

Ele tinha me procurado, não tinha? Enviou-me o núcleo de mana de Sylvia como um símbolo e um apelo para que eu ajudasse Cecilia. Como? Eu não fazia ideia, mas ele não fez nenhum esforço para conter a violência desse confronto.

— Mentiroso. Eu assisti enquanto sua lâmina a atravessava, Grey! — Ele gritou, balançando para cima e para baixo no ar, a mana vibrando ao seu redor em agitação.

Cecilia agitou a mão no ar, e eu me esquivei quando a mana atravessou o chão como uma lâmina gigante de foice.

— Isso nem é sobre o que aconteceu na Terra! Nico, Agrona quer o núcleo de Grey. É isso! O Grey não importa mais, ele é apenas um obstáculo entre nós e conseguir exatamente o que você quer, você não vê?

Antes que Nico pudesse responder, a mana em torno de Cecilia aumentou. Milhares de pedaços de entulho do tamanho de um punho saltaram no ar, voando alto acima de nossas cabeças. Em um instante, estavam queimando em laranja brilhante, aquecidos por dentro pelo poder dela. Vi o que estava por vir antes que acontecesse.

Proteja-se! Enviei para Sylvie.

O céu escuro estava iluminado com dez mil novas estrelas. Então as estrelas começaram a cair.

Meteoros em chamas perfuraram o pouco que restava do teto e explodiram contra o chão ao meu redor. A sala do trono desapareceu em uma nuvem de poeira e na névoa de calor de mil projéteis em chamas riscando o ar.

Senti mais do que vi o aumento da mana em torno de Sylvie e Chul quando o primeiro dos meteoros os atingiu.

Eu me esquivei de um meteoro, girei quando outro resvalou em meu ombro, então deslizei para os caminhos entrelaçados do God Step para evitar um aglomerado de projéteis.

O palácio estava desmoronando, o ar sufocado pelo calor e pela poeira. Meus ouvidos zumbiam com a explosão concussiva da chuva de meteoros, e o enxofre queimava meu nariz e meus pulmões.

O bater de asas enviou rajadas de vento pelo palácio, levando a poeira em grandes redemoinhos e revelando uma silhueta imponente.

Escamas escuras refletiam a luz das estrelas e enormes olhos dourados brilhavam ao redor dos destroços. O gracioso pescoço dracônico de Sylvie ergueu-se em direção ao céu, e ela mostrou fileiras de presas afiadas como espadas. Uma cauda longa e serpentina deslocou-se através dos escombros, enviando pedras quebradas em cascata para os muitos sulcos abertos no chão.

Ela balançou o pescoço e as asas, desalojando os meteoros que haviam penetrado em seus escudos de mana para se alojar em suas escamas.

Chul saiu de sua sombra, ileso enquanto olhava para o dragão com espanto.

O bater das asas de Sylvie revelou toda a devastação do feitiço de Cecilia. Todo o centro da estrutura foi nivelado; a sala do trono havia desaparecido, agora apenas um buraco no chão.

Senti uma mudança no éter ao meu redor. A armadura de relíquia havia deixado Sylvie quando ela se transformou, e eu podia mais uma vez senti-la se vinculando a mim. Tocando aquele vínculo, conjurei a armadura.

Cecilia olhou para mim com decepção enquanto as escamas negras se espalhavam sobre minha carne. Ao lado dela, Nico estava pálido e nervoso.

Eu encarei seus olhos escuros.

— Como você espera que eu ajude alguém que não quer? — perguntei, não convencido de que ele responderia. — Ou sua mensagem foi apenas para me confundir…

— Mensagem?! — Cecilia gritou, olhando nitidamente por cima do ombro para Nico. — Que mensagem?

Não fiquei surpreso por ele não ter contado a ela, mas aproveitei a oportunidade para manter os dois conversando.

— Nico me enviou um presente e me pediu para ajudá-la. Ele disse que eu “devia uma vida a você”. Porque você nunca contou a ele o que fez. — Meu tom ficou mais agudo enquanto falava, minha raiva queimando logo abaixo da superfície. — Você se matou na minha lâmina, Cecilia! Você ainda se lembra por quê?

Ela empalideceu e vi em seu olhar assombrado a memória daquele momento, e sabia que ela se lembrava muito bem.

— O-O quê? — Nico engasgou.

Cecilia virou as costas para mim, estendendo a mão para Nico, embora seus dedos parassem um pouco antes de tocá-lo.

— É mais complicado do que isso, eu…

— Você sabia que eles o usariam contra você, Cecilia — interrompi, incapaz de disfarçar a frustração e a amargura em minha voz. — Você me fez matá-la, porque sabia que não havia outra saída, nem para você, nem para Nico. Você morreu para protegê-lo! — zombei, cerrando os punhos com tanta força que os ossos doeram. — Droga, eu não entendo nenhum de vocês. Não há nada que justifique o que estão fazendo por Agrona…

— Já chega! — Cecilia gritou.

A palavra ressoou por todo o palácio em ruínas, ficando cada vez mais alta a cada reverberação. Os poucos restos de estrutura ao nosso redor desmoronaram. Minhas mãos taparam meus ouvidos. Senti o sangue escorrer do meu nariz. À minha direita, Chul se apoiava em sua arma, os braços em volta da cabeça, os dentes à mostra como um animal. Acima de nós dois, a cabeça de Sylvie abaixada, os olhos fechados contra o volume punitivo.

Respirando fundo, alcancei a mana com meu éter. A manifestação era selvagem e descontrolada, sem a força avassaladora do foco de Cecilia. Eu quebrei, e o barulho desapareceu, deixando um eco em meus ouvidos.

Cecilia já havia se virado para Nico.

— Desculpe! Eu estava com medo de que você ainda estivesse sob a influência de Agrona e que algo ruim pudesse acontecer se eu contasse a você.

— É verdade? — Ele perguntou, sua voz quase um sussurro. — Grey não…

Ela balançou a cabeça, o corpo tenso, os membros puxando para dentro como se quisesse se enrolar na posição fetal.

Nico se afastou, horrorizado.

— Mas eu vi

— Sinto muito… — Cecilia repetiu baixinho. Ela esperou um momento, observando-o atentamente. — Isso significa que sua mente não está sendo controlada por Agrona?

Nico passou as mãos pelo rosto.

— O que quer que ele tenha feito para aumentar minha raiva e enterrar os talentos da minha vida anterior vazou do meu núcleo quando Grey o perfurou no Victoriad. — Sua voz era plana, totalmente desprovida de emoção. — Mas eu sabia o que ele tinha feito com suas memórias, Cecilia. Eu sabia… eu ajudei… E pensei que você ainda estava… — Ele abaixou a cabeça, seu cajado balançando frouxamente ao seu lado. — Sinto muito…

Eles estavam completamente absortos um no outro, seus mundos reduzidos a poucos metros ao redor deles em qualquer direção. Uma parte fria e distante da minha mente, o pedaço do Rei Grey que ressuscitei para sobreviver às minhas provações em Alacrya, reconheceu a oportunidade. Um rápido golpe de minha lâmina de éter e eu poderia acabar com a ameaça que cada um representava ali mesmo. O que quer que Agrona tenha planejado para o Legado deixou até mesmo Kezess Indrath com medo. Derrubar os dois acabaria com essa ameaça e, possivelmente, com a guerra.

Afinal, eu não havia descoberto nenhuma falha fatal na magia de Cecilia. Lutar contra ela não me trouxe nem perto de entender como separar Tessia e Cecilia. Tess era uma guerreira, acostumada a arriscar sua vida no campo de batalha. Estava pronta para morrer lutando nas masmorras sob a Clareira das Bestas, nas florestas de Elenoir, nas ruas da cidade contra Nico e Cadell…

Ela entenderia. Ela me perdoaria.

Mas eu poderia me perdoar? Já havia me negado a chance uma vez, escolhendo atacar Viessa em vez de Cecilia quando a oportunidade se apresentou. Eu realmente achava que estava preparado para acabar com a vida de Tessia junto com a de Cecilia?

— Como você pode ter tanta certeza? — Nico perguntou, sua voz aumentando em frustração e chamando minha atenção de volta para eles. — Porque eu não sei mais.

Depois de um instante de hesitação, Cecilia segurou as mãos de Nico.

— Essas são apenas as palavras daquela Foice terrível cravadas em sua cabeça. Se Agrona pôde nos reencarnar do outro lado do universo, nos trazer a este mundo e nos tornar poderosos apenas com os recursos que tem agora, por que não seria capaz de nos enviar de volta com todo o poder de Epheotus à sua disposição?

Houve uma pausa e ela soltou as mãos dele, virando-se para olhar para mim com uma percepção crescente.

— É por isso que você pegou o núcleo daquele dragão? Para pedir ajuda a Grey? Você… Quer que nos voltemos contra Agrona?

O rosto pálido de Nico ficou ainda mais branco.

— Não, claro que não…

— Grey não pode nos ajudar! — Ela gritou, sua voz magicamente amplificada, mas sem a ressonância esmagadora de seu último ataque sônico. — Nós demos tudo para essa causa, Nico, para Agrona. E estamos tão perto! Não deixe Grey manipular você, ele só quer sua preciosa elfa de volta. Ele me mataria para chegar até ela, você sabe que ele o faria.

Nico também olhou para mim, franzindo a testa em confusão.

— Eu…

— Talvez sim — interrompi honestamente, meu tom de voz amargo e frio. — Lamento não ter conseguido salvá-la naquela época, Cecilia. Eu estava tão absorto em minha estúpida busca para chegar ao topo, para ser poderoso o suficiente para corrigir os erros que aconteceram com nossa casa, com a diretora Wilbeck, que ignorei todo o resto.

O ar entre nós mudou, tornando-se carregado de éter quando alcancei meu interior, puxando toda a força e determinação que pude manifestar. Meu olhar se aguçou, éter girando em resposta a essa atração, como se estivesse reconhecendo minha vontade. Todo o meu foco e energia se concentraram em Cecilia. Ela olhou de volta, aqueles olhos turquesa duros e inflexíveis.

— E eu sinto muito, Nico. Acho que não posso fazer o que você pediu.

O God Step me envolveu, e eu apareci ao lado de Tessia, um raio etéreo correndo pelas escamas da armadura de relíquia. Uma lâmina estremeceu em meu punho, pronta para mergulhar na cavidade na base de sua garganta.

Os braços de Cecilia, tanto de carne quanto de mana, fluíram suavemente em posição para bloquear o golpe, exatamente como eu havia previsto.

O éter endureceu sob meu pé e eu o empurrei com toda a força bem orquestrada do Burst Step. A plataforma quebrou, mas não antes de eu dar o passo quase instantâneo para Nico, meu braço se movendo mais rápido do que a visão enquanto eu simultaneamente ativava o Burst Strike.

Barreira após barreira de mana endureceu o ar entre minha lâmina e seu alvo. Cada um rachou e então se quebrou, um por um, o ar entre nós explodindo com chuvas de fogos de artifício semelhantes a mana. A lâmina caiu no ombro de Nico.

A última camada de mana ao seu redor tremeu e Nico caiu nos escombros com um estrondo. Um segundo depois, aterrissei levemente perto da cratera, minhas defesas já se voltando para Cecilia.

O palácio arruinado explodiu em movimento.

Cecilia, com os olhos esbugalhados enquanto olhava para a cratera e a boca aberta em um grito silencioso, reuniu toda a mana ao nosso redor e a arrastou, puxando-a para si. Éter foi liberado de mim em resposta, lutando para proteger meus companheiros de serem drenados em um instante.

Mesmo enquanto os protegia de seu feitiço de drenagem de mana, senti a condensação de mana enquanto ela preparava um segundo ataque.

Um clarão de chama laranja brilhante chamou minha atenção para a arma de Chul enquanto ela voava como um meteoro em direção à Cecilia.

Todos os seus braços de mana fluíram ao seu redor, parando a arma no ar.

Ela explodiu em uma bola de fogo dourada quando um feixe de mana pura dividiu a sala do trono em ruínas. O fogo da Fênix e a mana do dragão giraram, combinando-se em um redemoinho de força destrutiva, e Cecilia desapareceu dentro da detonação.

Estabelecendo meu equilíbrio, conjurei uma segunda lâmina de éter acima do meu ombro esquerdo, então uma terceira em posição de sombrear a lâmina em minha mão. Finalmente, uma quarta apareceu perto do lado esquerdo do meu quadril. O éter explodiu em sequência por todo o meu corpo, impulsionando-me para a frente. Com toda a minha concentração, girei todas as quatro lâminas.

Algo atingiu meu peito no meio do Burst Step. O mundo girou mais rápido do que eu poderia entender e sofri um impacto contra algo duro. Eu estava de pé antes de entender o que aconteceu, com Sylvie se elevando sobre mim, uma garra apoiando minhas costas.

Estremeci quando o resto da magia combinada de Chul e Sylvie rodou no corpo de Cecilia. Ela havia absorvido tudo.

Através de Realmheart, pude ver como seu corpo quebrou a mana pura tingida de lavanda que Sylvie havia projetado. A visão enviou calafrios pelo meu corpo; sem núcleo, o processo parecia muito mais rápido — quase instantâneo — e muito mais horrível.

Ela pode absorver até feitiços formados? Sylvie pensou, horrorizada.

Os olhos famintos de Cecilia beberam ao ver a mana tingida de roxo fluindo sobre sua mão e entre seus dedos — mana de dragão. Por um instante, ela pareceu perdida em pensamentos, quase… Maravilhada.

Com o canto do olho, vi Chul pular no ar, o punho envolto em uma garra de chamas moldadas. Cecilia, concentrada na mana que havia absorvido de Sylvie, demorou a reagir.

Espinhos de ferro sangrento se manifestaram de sua sombra quando a garra foi em direção à sua garganta, pegando e desviando o golpe. O calor do feitiço de Chul cortou o metal preto e cortou a mandíbula de Cecilia enquanto ela se afastava. Mana se condensou em um aríete que atingiu Chul e o mandou para longe.

Cecilia levou a mão ao queixo, mas o golpe deixou apenas listras de cinzas em sua pele clara.

Nico se ergueu da cratera que seu corpo havia formado, seu cajado na mão, todas as quatro gemas brilhando. O sangue escorria livremente de seu nariz e boca, e seu braço pendia inerte ao lado do corpo. E, no entanto, enquanto observava Chul cair pesadamente de pé entre os escombros, ele ainda teve energia para voar atrás dele, espinhos de ferro sangrento disparando à sua frente como uma dúzia de flechas negras.

Com uma forte batida de suas asas, Sylvie lançou-se no ar, girou acima e então mergulhou em Cecilia, garras, presas e cauda brilhando.

Reinvocando minhas lâminas de éter, me apressei para apoiar meu vínculo. Feixes brilhantes de energia violeta cortaram e se lançaram em Cecilia de todas as direções. Um atingiu seu ombro, mas ricocheteou em sua barreira natural de mana. Outro impulso foi em sua coxa, mas deslizou para o lado. A cauda de Sylvie a desequilibrou e meu terceiro golpe acertou suas costelas com firmeza.

A mana cedeu e a lâmina de éter perfurou a carne ali.

Ela sibilou um xingamento e o chão desapareceu sob meus pés. Saltando de um amontoado trêmulo de éter endurecido, avancei com todas as quatro lâminas de éter de uma só vez, derrubando Cecilia de volta para meu vínculo. A garra de Sylvie caiu sobre Cecilia, cujas pernas cederam quando ela caiu sobre um joelho.

Raios de mana irromperam de Cecilia, salpicando o enorme corpo de Sylvie. Eu podia senti-la enfraquecendo a cada golpe.

O rugido de batalha de Chul encheu o ar quando senti Nico tentando voar em nossa direção. Dividi minha atenção, cortando e golpeando Cecilia com minhas armas conjuradas com a maior parte do meu foco, mas virando uma lasca de minha concentração para a batalha entre Chul e Nico.

Chul estava lutando contra Nico no ar, o bastão puxado para trás na garganta de Nico. Com um golpe para baixo, ele acertou o Nico muito menor no chão com a cabeça primeiro, então seus punhos foram envoltos em chamas alaranjadas quando começaram a esmurrar meu antigo amigo.

Uma estaca preta disparou do chão e perfurou o antebraço de Chul, mas ele apenas arrancou-a, virou-a com a ponta para baixo e a ergueu sobre a cabeça enquanto se preparava para apunhalar a forma deitada de Nico.

Uma luz brilhante engoliu o campo de batalha antes que o golpe pudesse cair.

Sylvie! Gritei em minha mente quando senti sua mana sendo retirada dela.

— Você deveria saber que não poderia resistir a mim por muito tempo. — A voz de Cecilia ressoou pelo campo de batalha enquanto a luz diminuía para revelar fluxos de mana saindo de Sylvie para Cecilia.

Meu coração falhou várias batidas quando o desespero tomou conta de mim. Os caminhos etéricos me chamaram e eu pisei neles.

Apareci entre elas, mana passando por mim por todos os lados, mas não liberei minha concentração na runa divina do God Step. Os caminhos de relâmpago se abriram em todas as direções à minha frente.

Entre Cecilia e eu havia uma concha quase impenetrável de camadas sobrepostas de mana. Tão intensa era sua concentração de mana que distorcia até mesmo os caminhos etéricos, desviando-os para que se projetassem, se borrassem e se tornassem difíceis de rastrear.

Eu escutei. Além do zumbido de mana, os gritos de Nico e Chul, a raiva da respiração de Cecilia. Através do crepitar das chamas e do barulho das pedras. Eu escutei, como Three Steps me ensinou, o chamado do éter.

E dirigi a espada para frente.

A lâmina deslizou para os caminhos, desaparecendo logo acima da minha mão e aparecendo novamente dentro do escudo para deslizar entre suas costelas.

Seu corpo estava se movendo um pouco antes da lâmina aparecer, então o golpe não atingiu seu coração.

Puxei minha espada para trás, preparado para estocar novamente, mas algo mais veio com ela. Hesitei por um instante, sem saber o que estava vendo. A lâmina da minha espada estava envolta em mana tingida de lavanda. De repente, outra coisa estava no controle da lâmina, e ela estava girando em meu pulso para cortar minhas próprias costelas. Quando o éter envolto em mana atingiu minha armadura, a mana de Cecilia explodiu dela, martelando minha própria arma em mim.

Eu balancei para trás e o fio da lâmina atravessou minha barreira etérica e a armadura de relíquia, esculpindo a carne e os ossos abaixo antes de atingir meu núcleo.

A náusea rasgou a força de meus membros, tão extrema e sempre presente que caí de joelhos. A espada desapareceu, minha barreira etérica foi dissolvida, o Realmheart desapareceu e até mesmo minha sensação das partículas atmosféricas de éter ao redor do campo de batalha piscou para dentro e para fora.

Pressionei uma mão contra o meu lado; sangue quente jorrou entre meus dedos. Não houve um fluxo súbito de éter para a ferida, nenhum calor comichão de quando a carne se recompunha.

Estendi a mão para o God Step, mas não houve brilho de resposta da runa divina em minha espinha.

Arthur! Sylvie gritou em minha mente ao mesmo tempo em que soltou um rugido de medo.

Os olhos de Cecilia se arregalaram, sangue vazando dos cantos de sua boca enquanto ela se abria em descrença. Suas mãos estavam pressionadas na ferida sangrenta em seu lado, onde minha lâmina havia arrancado entre suas costelas.

Uma criatura ardente de fogo e luz passou por ela. Eu vi apenas o contorno de asas, ofuscantemente brilhantes contra o céu negro, antes que uma garra quente se enrolasse em mim e me levantasse, então um vento morno e cortante, e nós fugimos do palácio, a cidade de Nirmala diminuindo rapidamente atrás de nós enquanto nos afastávamos ganhando altitude.

Sylvie! Eu pensei desesperadamente, o pânico se contorcendo em meus intestinos.

Estou aqui! Ela praticamente gritou em minha mente, com os nervos à flor da pele, tão fraca pela quantidade de mana que havia sido tirada dela que estava lutando para manter a forma dracônica. Mas eles estão vindo, Arthur.

Olhei através da escuridão para o palácio distante, ardendo com pequenas chamas e enviando pequenas nuvens de fumaça preta que se acumulavam no céu acima dele. Havia uma faísca na noite, como uma estrela cadente nos perseguindo pelo céu. Mais lento, flutuando no ar enquanto lutava para acompanhá-la, estava Nico.

Chul soltou um grasnido estridente que rasgou o céu noturno como um trovão.

— Não consegui acabar com o nojentinho…

Um feixe de luz branca quente dividiu o céu, acertando por pouco a asa de Chul.

— Não consigo… mais… acompanhar… — Ele gemeu, sua voz rouca e cheia de fogo.

Peguei a runa de armazenamento extradimensional e o tempus warp dentro dela, mas ele não respondeu.

Me esforcei para acalmar as batidas rápidas do meu coração para poder me concentrar e voltar meus sentidos para dentro, inspecionando meu núcleo. A ferida era profunda e sangrava muito. Meu senso de éter estava desaparecendo rapidamente e eu podia sentir intermitentemente as próprias partículas.

Todo o éter se esforçando para curar meu corpo estava focado em meu núcleo. Uma linha brilhante foi riscada na superfície pelo golpe e meu éter de cura estava preenchendo-a lentamente, negligenciando o resto do meu corpo enquanto o fazia.

— O Arthur… não consegue…

Meu coração subiu em minha garganta enquanto mergulhava para baixo, Chul, mais uma vez humanoide, girando de ponta a ponta no ar ao meu lado enquanto meu sangue escorria por nós dois.

Uma sombra negra se aproximou de nós, e Sylvie pegou cada um de nós em suas garras assim que outro feixe de mana passou.

Não vamos conseguir ir longe… Arthur, você está ferido. Muito ferido mesmo.

Sem tempo ou energia para explicar, simplesmente a deixei entrar em minha mente enquanto estendia a mão para o éter ao redor do meu núcleo. Desejei que fluísse para o meu braço, onde estava a forma de feitiço para o armazenamento dimensional. Um gotejamento respondeu. Empurrei novamente, com mais força, implorando enquanto imprimia minha intenção no éter. Um pouco mais se separou.

A forma de feitiço formigou em minha carne.

Xingando, arrastei meu antebraço pela ponta da garra de Sylvie, deixando um corte profundo.

Outra bolsa de éter desceu pelo meu braço.

Minha mente se conectou com o espaço dimensional onde meu equipamento estava guardado e retirei o tempus warp. Sylvie moveu sua garra para fixá-la perto de mim.

Merda, não consigo ativá-lo, pensei.

Sentindo a intenção de Sylvie, observei enquanto ela sacudia Chul com sua outra garra, depois o beliscava com força ao mesmo tempo em que mergulhava sob um terceiro raio de Cecilia.

Chul cerrou os dentes enquanto voltava à consciência.

Gah, o que foi…?

— O tempus warp! — Sylvie gritou.

Seus olhos se esforçaram para focar em mim, então o dispositivo preso ao meu lado.

— Você precisa… ativar o dispositivo… — engasguei, sangue enchendo minha boca enquanto falava.

Sylvie juntou as garras e Chul pousou a mão no topo do tempus warp. Sua mana fluindo fracamente.

Sylvie engasgou quando um raio a atingiu e nós mergulhamos no ar. Suas garras se soltaram e o tempus warp caiu. Envolvi meus braços em volta dele, minha cabeça girando enquanto meu ferimento explodia de dor com o movimento e o esforço.

Ela está nos alcançando!

Chul empurrou mais mana e eu programei o dispositivo.

Sylv, transforme-se, pensei, esperando.

Seus próprios pensamentos voltaram para mim não em palavras, mas em pura descrença, tingida com a suspeita de que eu havia perdido minhas faculdades mentais devido à perda de sangue.

Apenas faça!

Sua cabeça se curvou para olhar para mim, encontrando meus olhos. A resignação vazou através de nossa conexão e ela de repente foi envolta em mana. As garras ao meu redor, Chul, e o tempus warp retrocederam, e Sylvie encolheu na forma de uma adolescente. Nós caímos.

Ativei o tempus warp.

Um portal apareceu no ar abaixo de nós, e todos nós mergulhamos.

Do outro lado, nos esparramamos pelo chão como ossos rolando, o tempus warp saltando antes de cair no meio de uma roseira.

Me recompondo, olhei através do portal para o rosto enfurecido de Cecilia enquanto o formato oval brilhante piscava.

 


 

Tsundoku Traduções / Reaper Scans — Brasil

Tradução: Lockard

Revisão: NERO_SL

 

💖 Agradecimentos 💖

Agradecemos a todos que leram diretamente aqui no site da Tsun e em especial nossos apoiadores:

 

  • decio
  • Mygirl
  • S_Eaker
  • Abemilton Filho
  • Alan Forma Perfeita
  • Alerrandro Adrian
  • Blscat
  • Caio Kapps
  • Carlitoos
  • crytteck
  • Darkïnn
  • dieguim
  • dlvzin64
  • dogju_
  • dylanoliveira
  • experiencelain
  • feijoada36
  • Hashura
  • igor.ftadeu
  • jaokz_
  • Jean Marcos
  • juba87
  • karaboznolm
  • kevinof
  • kicksl
  • Krocks
  • Lessandro
  • Luca Neves
  • MackTron
  • MaltataxD
  • marceloaugusto
  • matheusunicornio
  • miguelx1122
  • mota_1303
  • nesovershennyy
  • nicholasjorge_br
  • Nivalís
  • nskn
  • pedroernestoa_68175
  • ph182
  • rian rrg
  • Roque
  • ruan_angelo
  • Silas
  • Teixeira
  • terasu
  • Wylla
  • xandellicia
  • XeeRoX
  • ZaionXD
  • zDoctorH
  • ! Rafaelpla
  • “L”
  • alexsander_309
  • augustokkjk
  • Enrig
  • fb2272
  • Mucego1991
  • SrYuke
  • vapor.train
  • zedopessego

 

📃 Outras Informações 📃

Apoie a scan para que ela continue lançando conteúdo, comente, divulgue, acesse e leia as obras diretamente em nosso site.

Acessem nosso Discord, receberemos vocês de braços abertos.

Que tal conhecer um pouco mais da staff da Tsun? Clique aqui e tenha acesso às informações da equipe!

 

 

Tags: read novel O Começo Depois do Fim – Cap. 442 – Um golpe de espada, novel O Começo Depois do Fim – Cap. 442 – Um golpe de espada, read O Começo Depois do Fim – Cap. 442 – Um golpe de espada online, O Começo Depois do Fim – Cap. 442 – Um golpe de espada chapter, O Começo Depois do Fim – Cap. 442 – Um golpe de espada high quality, O Começo Depois do Fim – Cap. 442 – Um golpe de espada light novel, ,

Comentários

Cap. 442